InícioO que Ayn Rand pensaria hoje do americanismo?EducaçãoUniversidade Atlas
Não foram encontrados artigos.
O que Ayn Rand pensaria hoje do americanismo?

O que Ayn Rand pensaria hoje do americanismo?

5 Mins
|
30 de Junho, 2016

Há setenta anos, Ayn Rand, grato por ter encontrado refúgio nos Estados Unidos da União Soviética totalitária, escreveu uma pequena série de ensaios intitulada "Textbook of Americanism" (Livro-texto do americanismo). Ao assinalarmos o 240º aniversário do nascimento deste país, podemos perguntar: "O que pensaria Ayn Rand hoje do americanismo" e "Que lições nos pode o seu trabalho oferecer?

Bandeira de Ayn

HOLLYWOOD DOS ANOS 40 APAIXONADA PELO COMUNISMO

"Textbook" apareceu pela primeira vez em 1946 em The Vigil, que foi publicado pela Motion Picture Alliance for the Preservation of American Ideals. Na altura, Rand estava a tornar-se conhecida pelo seu romance The Fountainhead. Mas Hollywood estava a tornar-se bem conhecida pelas suas simpatias comunistas.

O romance de Rand de 1937, Nós, os Vivos, foi colocado contra o pano de fundo dos horrores do comunismo. Não foi bem recebido em Hollywood, onde regressou ao trabalho em meados dos anos 40. Assim, ela viu a necessidade de definir exactamente os princípios sobre os quais a América foi fundada e que fizeram dela um grande país.

INDIVIDUALISMO VS. COLECTIVISMO

Os seus ensaios "Textbook" centraram-se principalmente na política, por isso, para a questão do que ela pensaria da situação política na América de hoje, seria necessário um thesaurus para estender os equivalentes de "repugnância" e "horror". Mas o seu "livro de texto" também nos ajuda a compreender a natureza triste da nossa situação política e aponta para um caminho positivo a seguir.

Individualismo versus colectivismo

O "Livro-texto" está organizado em torno de uma dúzia de perguntas. À primeira, "Qual é a questão básica no mundo de hoje"? Rand responde que está "entre dois princípios": Individualismo e Colectivo". Era então e continua a sê-lo agora.

O individualismo, diz-nos ela, sustenta que "cada homem existe por direito próprio e para o seu próprio bem, não para o bem do grupo". O colectivismo, pelo contrário, sustenta que "cada homem existe apenas por permissão do grupo e para o bem do grupo". O primeiro defende que todos os indivíduos devem ser livres, o segundo defende que todos os indivíduos devem ser escravos de uma ou outra espécie.

DIREITOS INDIVIDUAIS

declarações assinadas

Ela argumenta, "O princípio básico dos Estados Unidos é o individualismo". Isto é claramente visível na Declaração da Independência, que reconhece o direito de cada indivíduo à vida, à liberdade, e à busca da felicidade.

Individualismo significa que "A função adequada do governo é proteger os direitos individuais do homem; isto significa - proteger o homem contra a força bruta". E Rand dá-nos nos seus ensaios o agora familiar - pelo menos aos libertários e amigos da liberdade - a definição de direitos como baseada na proibição de iniciar o uso da força contra outros.

A NECESSIDADE DE PRINCÍPIOS MORAIS

O mais instrutivo para nós hoje é a sua resposta à pergunta, "Pode uma Sociedade Existir Sem um Princípio Moral? Ela responde que "a sociedade pode abandonar os princípios morais e transformar-se numa manada que corre para a destruição". Tal como um homem pode cortar a sua própria garganta sempre que quiser". Mas "a sociedade não pode abandonar os princípios morais se espera que estes existam".

Rand observa, por exemplo, que só porque um número suficiente de pessoas aceita o princípio da liberdade individual é que existe uma sociedade funcional. Numa loja de departamentos lotada, se um número suficiente de pessoas não aceitasse a liberdade, poderiam agir como uma multidão e saquear a loja. Ela observa que a protecção seria impossível porque "não poderia haver suficientes polícias no mundo se os homens acreditassem que é adequado e prático saquear". Em breve, não haveria lojas, apenas multidões que pilhariam sem nada para saquear. (Aqui vemos o germe do Atlas Shrugged!)

O QUE DEVEMOS FAZER?

Então o que pensaria Ayn Rand do americanismo hoje em dia? Obviamente, ela pensaria que o país está em perigo mortal à medida que o compromisso para com os princípios fundadores do país se esvai, à medida que as restrições governamentais à liberdade individual continuam a crescer, e à medida que os bandidos políticos dificilmente se dão sequer ao trabalho de dar lábia à liberdade e ao Estado de direito.

liberdade

Rand pensaria sem dúvida que os americanos só podem reclamar a sua liberdade e o país reclamar a sua alma lutando por razões morais pelos princípios individualistas. Argumentar que a eliminação desta ou daquela restrição governamental ao comércio aumentará a prosperidade global é certamente verdade e necessário. Mas o argumento pragmático não é suficiente. Em última análise, precisamos da ampla aceitação na nossa sociedade de que os indivíduos têm um direito inalienável às suas próprias vidas e, portanto, a liberdade de perseguir a sua felicidade.

Poder-se-ia acrescentar que temos de procurar as formas mais eficazes de desafiar e mudar o actual sistema e a cultura corruptos do Estado. Fazer argumentos de princípio é necessário mas não será suficiente. O Presidente Obama não é o único estadista que olha para as Regras para Radicais de Saul Alinski como um livro de texto para subverter uma sociedade livre. Precisamos de contrariar os marxistas de uma boa maneira, de pensar no nosso empreendimento como uma "longa marcha através das instituições". Precisamos de promover e celebrar os valores que constituem o individualismo ético, tais como a realização individual e o empreendedorismo.

E Rand provavelmente incitar-nos-ia a olhar para os nossos Fundadores para compreender que é possível recuperar a revolução que eles fizeram. Não devemos aceitar como uma gota após outra do sangue da liberdade drena das nossas veias; dessa forma reside a anemia cultural e, eventualmente, a morte política.

Ao celebrarmos o Dia da Independência, vamos celebrar a Declaração da Independência. Mas celebremos também esta citação de Rand: "O mundo que desejas pode ser conquistado, existe, é real, é possível, é teu". O ideal do americanismo de Rand é agora mais do que nunca necessário.

Explorar:

Edward Hudgins, "Que América Daremos ao Futuro"?30 de Junho de 2015.

David Mayer, "Declare o 4 de Julho um Dia Livre de Impostos"!21 de Junho de 2010.

David Kelley, "A Quarta Revolução". 1 de Maio de 2009.

Edward Hudgins, “What Unites America? Unity in Individualism!” July 3, 2004.

Edward Hudgins
About the author:
Edward Hudgins

Edward Hudgins, former director of advocacy and senior scholar at The Atlas Society, is the founder of the Human Achievement Alliance and can be reached at ehudgins@humanachievementalliance.org.

Feriados e Celebrações
Filosofia Política
As Ideias e Influência de Ayn Rand